matéria 4 - Meu primeiro dia no mar1
Em 1990 participei do Campeonato Brasileiro de Triatlo em Guarujá, interior paulista. (Foto: Arquivo Pessoal/Cedida)

Meu primeiro triatlo em águas abertas, ou seja, nadando no mar foi meio folclórico, mas acabou tudo bem.
Inicialmente não tinha dinheiro para a viagem, mas tinha duas bicicletas, uma de treino e uma de competição, não tive dúvidas e vendi a bicicleta de treinos para custear as despesas da viagem que envolvia passagens, inscrição e alimentação uma vez que fiquei alojado no ginásio de esportes da cidade.

Guarujá

A cidade em questão é o Guarujá, cidade do litoral do Estado de São Paulo famosa por apresentar boas condições para o surf, mas infelizmente eu não tinha essa informação na época. O ano foi 1990 e era uma competição que válida pelo Campeonato Brasileiro de Triatlo e estavam presentes vários atletas de nível nacional e de Seleção Brasileira.

Cheguei à cidade em uma manhã de sábado e carreguei a caixa com a bicicleta nas costas até o tal alojamento já que não tinha dinheiro para pagar um taxi. Chegando lá a delegação do Estado do Ceará já se encontrava devidamente instalada no alojamento e me estabeleci junto com eles. Fazia parte da delegação o Vice Campeão Brasileiro de Triatlo o Cearense José Correia Pinto Filho conhecido como Zé Filho no meio do triatlo.

Quando o Zé Filho foi montar a bicicleta dele percebeu que tinha esquecido a corrente da bicicleta e fomos todos atrás de comprar uma corrente nova para que ele pudesse fazer a prova.

Corrente essa que custou mais do que todo dinheiro que eu tinha levado para a viagem toda, mas não me deixei abater por isso ou pelo fato de ter a bicicleta mais arcaica entre todas na competição sem ao menos um suporte aerodinâmico que era padrão entre todas as bicicletas.

Guarujá, cidade do litoral do Estado de São Paulo é famosa por apresentar boas condições para o surf. (Foto: Ilustração/Internet)
Guarujá, cidade do litoral do Estado de São Paulo é famosa por apresentar boas condições para o surf. (Foto: Ilustração/Internet)

Prova

No dia da prova fazia muito frio no Guarujá e o mar estava muito mexido e entenda-se por muito mexido ondas de mais de um metro, propícias para a pratica do surf mas ruins para nadar.

De quebra o Zé Filho parou do meu lado na areia e falou “hoje vai ser duro passar essa arrebentação” (ondas que quebram na areia), eu que já estava com medo por nunca ter nadado no mar fiquei ainda mais nervoso, mas tinha viajado de muito longe para desistir, então respirei fundo, coloquei meus óculos e fui em direção ao mar para o início da prova.

Ainda durante a natação vi uma onda quebrar na cara de um nadador e jogar seu óculos para cima, continuei a dar braçadas firmes e quase chegando a praia foi a minha vez de tomar um caldo e ficar totalmente perdido no mar sem saber para que lado estava a praia, e só achei a direção certa depois de avistar o alto dos prédios tamanha era a altura das ondas.

Terminada a etapa de natação as outras duas etapas de ciclismo e corrida transcorreram normalmente e pude curtir minha primeira participação em uma etapa do Campeonato Brasileiro de Triatlo.