Há seis meses, Residencial San Miguel aguarda finalização do serviço de identificação de ruas (Foto: Alessandro dos Santos | Grupo IMPACTO)

Encontrar um endereço em Adamantina é um desafio. Isso porque inúmeras ruas estão sem placas de identificação. O problema vai do centro até os bairros mais afastados, principalmente nos novos loteamentos, e faz com que motoristas se percam a procura de um endereço desconhecido.

São diversos os relatos da população que encontram dificuldades para receber contas e mercadorias devido à falta de placas. Recentemente, o IMPACTO trouxe a reclamação dos moradores do Residencial San Miguel, que há anos aguardam a identificação das ruas.

Há seis meses, a Prefeitura deu indícios que resolveria o problema iniciando a pintura de postes para colocação dos nomes. Porém, até o momento nada foi feito.

Além dos novos loteamentos, o problema é recorrente em outros pontos da cidade, o que fez a vereadora Maria de Lourdes dos Santos Gil, a Dinha, e o vereador Aguinaldo Galvão, ambos do DEM, indicarem a Prefeitura de Adamantina a volta do serviço.

“A presente medida se tornou eficaz, tendo em vista que os custos são baratos para os cofres públicos e não há danificações como acontece com a colocação de placas”, destacaram, no requerimento.

Na sessão de segunda-feira (5), a parlamentar comentou sobre a dificuldade que a falta de identificação de ruas traz a população. “Foi uma luta conseguir com a concessionária responsável pela distribuição de energia elétrica a autorização para colocação dos nomes de ruas nos postes. E tem que continuar com este trabalho, pois a deterioração da denominação e vandalismos nos postes vem trazendo dificuldades a população. É uma medida que facilita a vida de todos, principalmente dos carteiros para entrega das mercadorias. E, em Adamantina, há diversos loteamentos novos e a maioria está sem identificação. É um trabalho para equipe do Setor de Obras da Prefeitura”, disse a parlamentar.

Semáforo da avenida Rio Branco com rua Joaquim Nabuco apresenta constantemente problemas (Foto: João Vinícius | Grupo IMPACTO)

Semáforos

Outro problema de sinalização de trânsito foi comentado na primeira sessão do ano da Câmara – a constante quebra dos semáforos da cidade. Nas últimas semanas, o IMPACTO recebe diversas reclamações da precariedade no funcionamento dos equipamentos, principalmente da avenida Rio Branco com a rua Joaquim Nabuco. Volta e meia o semáforo fica com apenas a luz de alerta ligado, complicando o trânsito em uma das principais esquinas da cidade.

O vereador Eder Ruete (DEM) fez requerimento questionando quais são as ações de planejamento quanto às melhorias do trânsito no ano de 2018, referentes às melhorias de mobilidade urbana, como: mudanças de mão das ruas, manutenções constantes nos semáforos, sinalização vertical das vagas e criação de novas vagas denominadas Zona Azul.

“Uma pergunta que faço é qual o planejamento para 2018? É notório em nossa cidade que falta revisar os nossos semáforos, eles não funcionam. Então que faça um planejamento de revisão. Também é que precisa-se mais vagas de Zona Azul, é uma dificuldade estar no centro da cidade. Aqui tem as vagas de idosos, porém só existe sinalização horizontal. Precisa também vertical para se fiscalizar. Por isso pergunto qual o planejamento de trânsito para este ano”, enfatizou.