Na manhã de terça-feira (19), o prefeito de Adamantina Márcio Cardim (DEM), na presença de alguns vereadores, de secretários municipais e da vice-prefeita, reuniu a imprensa local para uma coletiva. O objetivo era apresentar um breve balanço dos trabalhos realizados em 2.017, primeiro ano de sua gestão.

Rapidamente o próprio Cardim mostrou por secretarias o que cada uma delas fez de relevante. Ele reconheceu falhas na comunicação da Prefeitura, em razão da falta de um assessor de imprensa, como também o “caos” encontrado em diversos setores do município assim que tomou posse.

Chama-se a atenção o pagamento de mais de R$ 4 milhões de dívidas herdadas da administração passada. E um dos pontos positivos apresentados foi a elaboração, com a ajuda de estagiários da UniFAI, de 79 projetos em inúmeras áreas que juntos somam mais de R$ 34 milhões. Desse montante em dinheiro, R$ 18 milhões já estão aprovados, segundo o próprio prefeito.

Já como meta para 2.018, Cardim pretende atuar principalmente em quatro frentes: infraestrutura urbana, com o recapeamento asfáltico de diversos bairros; a criação de novo distrito industrial, visando à geração de empregos; a solução definitiva para o problema de erosão do Parque dos Pioneiros; e, por fim, a Saúde, com a união de trabalhos entre UniFAI (curso de Medicina) e Santa Casa.

Para muitos munícipes o primeiro ano de Márcio Cardim foi apático e não correspondeu ao mirabolante plano de governo apresentado em campanha política. Essa percepção da população talvez seja em razão da falta de comunicação profissional da própria Prefeitura ou dos problemas herdados e enfrentados durante 2.017.

Mas até mesmo os ferrenhos críticos sabem que devemos ser pacientes e sensíveis às dificuldades apresentadas nesta primeira etapa para Márcio Cardim. Não. Não foi um ano perdido. Pelo contrário, recuperou-se, em parte, quatro anos de uma gestão catastrófica de Ivo Santos.

Caso Márcio Cardim consiga colocar em prática o que apresentou na coletiva para 2.018, com certeza esta visão de apatia perante a comunidade deverá diminuir ou até mesmo ser extinta.

Como prefeito ele tem mais três anos pela frente. Quem torce pelo município, pelo progresso e desenvolvimento, também irá torcer e contribuir como cidadão para o sucesso da sua administração.

É esperar para ver o balanço do segundo ano de gestão, em dezembro de 2.018.

Até lá, um feliz e progressivo ano novo a todos.