Como não podia deixar de ser, os vinhos brancos e roses franceses também estão entre os melhores do mundo.

O primeiro a ser destacado é um branco produzido na Borgonha, com 100% de uva chardonnay, o Chablis. Muito diferente dos vinhos produzidos com chardonnay na Austrália e na América do Sul, que são densos e amanteigados, o Chablis é leve e refrescante, resultado do solo calcário da Borgonha e do clima frio. É um vinho bastante seco e com notas minerais. Mas um bom Chablis não sai por menos de R$ 250,00.

Se a pedida for um branco aromático, o vinho indicado é da região de Sancerre, que produz brancos refinados e frescos. Todavia, se a opção for um branco encorpado, o vinho certo é da região de Côte de Beaune, na Borgonha, que segundo os críticos, produz o melhor chardonnay do mundo.

A França também produz e consome em alta escala os vinhos roses, principalmente na época do verão.   Os melhores roses franceses são produzidos nas regiões vinícolas ao redor do Mar Mediterrâneo, no sul da França. Portanto, se quiser tomar um rose de qualidade procure por aqueles produzidos nas região de Provence. Os mais encorpados são produzidos em Tavel, Bandol e Côtes de Provence. Os mais leves são proveniente da região de Sancerre.

Encorpados ou leves os roses são feitos para serem bebidos jovens e refrescados. Acompanham muito bem peixes, frutos do mar e porque não um churrasco num dia quente de verão? Faça a experiência e certamente seu churrasco ficará mais leve e suculento. Se desejar experimentar um bom rose escolha um exemplar da região de Côtes de Provence, normalmente vendido numa garrafa curvilínea bem característica, baseado nas uvas Crenache e Syrah. Preço em torno de R$ 150,00.

Outra forma de escolher um vinho francês é pela região em que é produzido, pois as regiões apresentam características comuns.

Bordeaux: aí se produz os grandes tintos franceses, por meio do corte bordalês, que é a mistura das uvas cabernet sauvignon e merlot, admitindo-se o acréscimo de cabernet franc, malbec ou petit verdot. Bordeaux, todavia, é dividida em várias sub regiões, como Pauillac, Saint- Estèphe, Saint-Émilion, Pomerol, etc. Cada uma tem vinhos bem característicos. Em Pomerol, por exemplo, é produzido o famoso Château Petrus, um dos melhores e mais caros vinhos do mundo, feito com 95% de Merlot.

Borgonha: As principais uvas são a branca Chardonnay e a tinta Pinot Noir. Destaca-se, na Borgonha, as regiões de Côte d’Or e de Chablis. Na Côte d’Or (Encosta Dourada) são produzidos grandes vinhos tintos com a Pinot Noir. Chablis produz um dos melhores brancos do mundo feito exclusivamente com a uva Chardonnay. Outro vinho conhecido mundialmente é o Beaujolais, a partir da uva Gamay, um vinho leve e frutado, feito para ser bebido jovem e gelado.

Alsácia: produtora de grandes vinhos brancos, geralmente feitos com um único tipo de uva. Destacam-se os vinhos produzidos com as uvas Riesling, Gewürztraminer, Pinot Gris, Muscat, Pinot Blanc e Silvaner.

Rhône: A região produz tintos mundialmente conhecidos como Côte-Rôtie, Hermitage e Châteauneuf-du-Pape e também os melhores rosados elaborados em Tavel e Lirac. Châteauneuf-du-Pape é um tinto muito famoso que pode ser produzido com a mistura de 13 diferentes tipos de uva, com predominância da Grenache, originado numa pequena comuna de mesmo nome, localizada na região de Provence, Costa Azul da França. A história do vinho está ligada à existência de um castelo papal, que servia de residência de verão para o Papa João XXII e que consumia o vinho  produzido na região, daí, vinho do papa. As garrafas são retorcidas, representando as vinhas e desde 1937 as chaves cruzadas logo abaixo da tiara papal, feitas em alto relevo,  estampam as garrafas.

Languedoc-Roussillon: Os vinhos produzidos nessa região são feitos com as variedade mais antigas da França, como a Carignan, que produz vinhos rústicos, profundo, muito concentrado e tânico, ideal para ser misturado com as demais variedades da região: Grenache, Syrah, Cinsault e Mourvèdre. A região também produz vinhos brancos, rosados e espumantes de alta qualidade.