Frei Mateus, administrador da Santa Casa, explica projeto de ampliação das Unidades de Terapia Intensiva do hospital (Foto: João Vinícius | Grupo IMPACTO)

A Santa Casa de Adamantina trabalha no projeto que prevê a ampliação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). A proposta, elaborada em parceria com a Prefeitura e UniFAI (Centro Universitário de Adamantina), visa atender a demanda do hospital, diminuindo a necessidade de transferência de pacientes para outros centros de referência em saúde.

“É triste ver um paciente ser transferido por falta de um leito de UTI. Então tendo esta retaguarda de mais seis leitos, totalizando 10, esta realidade reduz muito – a necessidade de transferência, e melhora a qualidade do atendimento”, diz o administrador da Santa Casa, Frei Mateus.

O religioso explica ao IMPACTO que estão sendo estudados a criação de seis novos leitos de UTI. As quatro Unidades de Terapia Intensiva existentes seriam transferidas para um espaço aos fundos da ala particular do hospital, que agregadas aos novos leitos, ampliarão o serviço de urgência à população de Adamantina e região.

“O nosso desejo é que o projeto se concretize o mais breve possível para atender esta demanda, mas não há um prazo estipulado para que isso aconteça. Não estamos medindo esforços para que a proposta se viabilize em pouco tempo. Mas precisamos ter pé no chão, não adianta fazer as coisas na correria para depois ficar algo mal elaborado, sem ser funcional”, pontua.

A reunião que decidiu pela execução do projeto foi realizada na última semana, na Prefeitura, depois da sinalização positiva pelo credenciamento dos novos leitos do secretário nacional de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, do Ministério da Saúde, Rogério Luiz Zeraik Abdalla, que esteve recentemente na cidade e visitou a Santa Casa.

“Não há um valor estimado, pois estamos em fase de implantação do projeto e não é apenas uma questão de estrutura, precisa ter leito, equipamento e equipe. Porém, é importante deixar claro que não medimos esforços para que se torne realidade, para que nossa população possa ser atendida da melhor forma possível e com mais qualidade. A Santa Casa vem passando por restruturação. E as questões que envolvem a saúde são gradativas, não se resolvem de uma hora para outra. É importante também entender que não estamos de braços cruzados ou alheios aos problemas. Estamos, sim, inseridos nesta situação e queremos resolve-la o mais breve possível”, afirma Frei Mateus.

Recentemente o hospital retomou a realização de cirurgias eletivas – procedimentos que não requer urgência e pode ser postergado sem causar danos ou riscos para o paciente. Em apenas 15 dias já foram realizadas quase 10 cirurgias na Santa Casa local, o que não era feito a quase um ano.