Recordações dos meus professores do outro tempo que estão mais do que presentes neste tempo novo tempo…

Confira artigo do jornalista diplomado Sérgio Barbosa publicado no IMPACTO

A educação tem raízes amargas, mas os seus frutos são doces. (Aristóteles)

A educação exige os maiores cuidados, porque influi sobre toda a vida. (Sêneca)

Não há saber mais ou saber menos: Há saberes diferentes.(Paulo Freire)

Aos/as Professores/as da Rede Estadual, dedico,

Nesta semana, comemorou-se mais um dia entre tantos outros festivos, porém, pretendo neste artigo escrever algumas palavras sobre algumas personalidades que estão no “Panteon dos quase esquecidos ou deixados de lado” por causa disto ou daquilo…

Se bem me lembro quando cursei o denominado “Primário” nos idos da década de 60, o processo de alfabetização era mais do que interessante por meio daquelas “cartilhas” e tudo mais, assim, meus sinceros agradecimentos aos professores deste período, “Celso e Dirceu”, não me lembro dos outros nomes, também, lá se vão de mais de 55 anos…

Não se pode esquecer de um detalhe neste processo, para ingressar no “Ginásio” naquele tempo, era necessário fazer o “exame de admissão”, ainda mais quando este “Ginásio” era concorrido. antes deste tal exame, resolvi cursar o preparatório denominado de “Curso de Admissão”…

Nos quatro anos do “primário”, estudei no “Profa. Esmeralda Soares Ferraz” em Ourinhos, também, província do interior paulista…

Bom, voltando ao “Ginásio”, este cursado depois de um ano cursando “admissão” e depois de aprovado, foram, mais cinco anos no “Ginásio Industrial Estadual Josefa Navarro de Lemos”, era chamado em um outro tempo de “Escola Artesanal de Ourinhos”, pois, por se tratar de um “curso profissionalizante”, no currículo além das matérias pedagógicas, havia as disciplinas direcionadas para as áreas de “Mecânica, Marcenaria e Eletricidade”…

Neste período mais do que interessante na minha vida, registra-se que fui repetente na “2ª. Série”, boas recordações com os professores, a saber: Sr. Antônio (Oficina de Mecânica); Dona Maura (Português), João Newton César (Geografia) e Luciano Correia da Silva (Português), além de outros que ficaram distantes deste tempo novo tempo…

Tais atividades ocorreram no final dos anos 60 e início da década de 70, período mais do que conturbado em todas as áreas deste “País do faz de conta” e uma época denominada de “Milagre Brasileiro” com Delfin Netto pra fazer a diferença de um jeito ou de outro…

Não se pode deixar de registrar que no último ano do “Primário” ocorreu o famigerado “Golpe Militar” em nome da democracia e contra o “comunismo” sob a proteção do “Tio Sam”…

Depois de cinco longos anos no “industrial” sob a tutela ampla, geral e irrestrita do diretor, Prof. Homero, um dos poucos que possuía carro naquele outro tempo, ou seja, um “Ford Corcel”, bem como, éramos campeões dm diversas modalidades esportivas sob o comando do Prof. Dinho (Alfredo) de Educação Física, destaque para o Futebol, Basquete e Voleibol…

Depois do Ginásio, mais um exame, desta vez, conhecido naquela época que era o tal de “Vestibulinho” para ingressar em alguns dos cursos do “Colégio Técnico Industrial de Ourinhos”, depois, denominado sem mais e sem menos de “Centro Interescolar Estadual” por decisão do governo estadual naquela época…

Confesso, depois de quatro anos, sendo que eram apenas três anos e “colegial técnico”, portanto, fiquei dois anos do mesmo ano, ou seja, “Segundo” e algumas poucas recordações deste período, tais como, dos professores EDELFRIDES DE OLIVEIRA, Engenheiro e um especialista em  Cálculo por meio da “Régua de Cálculo” e que os alunos dizem que o mesmo era um Gênio” nesta área do conhecimento…

Havia outros, por exemplo, o “Concorde”, assim apelidado por causa da curva do seu nariz que lecionava “Matemática e Matemática Aplicada”, tratava-se de um curso técnico profissionalizante que preparava os alunos para atuarem nas áreas da Mecânica, Edificações e Eletrotécnico” para os rapazes, mas, estava aberto para as moças, entretanto as mesmas quase sempre escolhiam o curso de “Econômica Doméstica”, no meu caso, por pressão do meu irmão mais velho, Celso, a escolha recaiu sobre o curso de “Mecânica” que ficou incompleto por não ter cumprido as horas como “estagiário” em alguma empresa naquele tempo do tempo…

Mas, são recordações importantes e registradas como uma simples homenagem aos meus professores e professoras dos bom e velho tempo no “Primário, Ginásio e Colegial” na Província de Ourinhos, porém, tal homenagem se estende aos abnegados professores e professoras da Província de Adamantina…

Quem viver vai ver…