Projeto "UniFAI e OAB vão à Escola" é lançado oficialmente em cerimônia no Câmpus II (Foto: Lucas Bonora)

O Centro Universitário de Adamantina (UniFAI) e a Seccional de Adamantina da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) lançaram oficialmente na última quinta-feira, 11, o projeto “UniFAI e OAB vão à Escola”.

O projeto consiste na entrega de uma cartilha com material desenvolvido por advogados da OAB-SP aos alunos do 3º ano do Ensino Médio das redes pública e privada. Em Adamantina, o projeto é realizado em parceria entre a 59ª Subseção da OAB-SP e a UniFAI, por meio da Pró-Reitoria de Extensão e do curso de Direito.

“No encontro nas salas de aulas do Ensino Médio, os alunos do 5º ano do curso de Direito da UniFAI dialogam com os jovens sobre cidadania e Constituição Federal. Os temas jurídicos específicos previstos na cartilha, como internet e cidadania digital, direito de família, violência doméstica e respeito às diversidades, são abordados por advogados”, explicou a Prof.ª Dra. Fernanda Stefani Butarelo, coordenadora de Projetos de Extensão na Área de Humanas da UniFAI e uma das desenvolvedoras do projeto.

A cerimônia de lançamento do projeto, dentre várias autoridades presentes, contou com a participação do reitor da UniFAI Prof. Dr. Paulo Sergio da Silva, do Pró-Reitor de Extensão Prof. Dr. Delcio Cardim, da coordenadora de Projetos de Extensão na Área de Humanas da UniFAI Prof.ª Dra. Fernanda Butarelo, do coordenador do curso de Direito Prof. Me. Igor Terraz Pinto, do presidente da 59ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil Hélio Vieira Malheiros Júnior, do presidente da Câmara Municipal de Adamantina Eduardo Fiorillo (DEM).

O evento também contou com a presença de vários educadores da rede de Ensino Médio, de muitos advogados e dos alunos do curso de Direito da UniFAI que foram representados pelo aluno do 10º termo, Diego Bianchi, que apresentou um histórico do projeto que se iniciou em 1999, ressaltando a sua importância para a formação dos jovens do Ensino Médio, mas também para os acadêmicos do curso de Direito que têm a oportunidade de participar de uma ação cidadã.

Em Adamantina, a Comissão OAB vai à Escola é composta pelos advogados Fernanda Butarelo (presidente); Luis Antônio Mota (vice-presidente); Nádia Regina Mendes Leocádio (1ª secretária) e Paula Renata Minutti (2ª secretária). Todos os membros estavam presentes no lançamento do projeto.

O reitor da UniFAI lembrou que a Instituição “uniu-se à OAB de Adamantina por acreditar na importância do projeto que tem como objetivo promover a participação e o engajamento cada vez maior dos jovens mediante à defesa dos seus direitos e à luta pelos ideais democráticos do Estado Democrático de Direito”.

O presidente da 59ª Subseção da OAB-SP também frisou a importância do projeto para a formação cidadã. “A principal condição humana para a melhora de vida das pessoas é a educação, sem ela não há esperança para um mundo melhor. Inspirado na certeza de que o exercício consciente da cidadania pelos brasileiros será o antídoto de caráter permanente contra a ineficaz relação existente entre o Estado e seu povo, a OAB acredita no projeto ‘UniFAI e OAB vão à Escola'”, destacou Malheiros Júnior.

A diretora da Escola Estadual Fleurides Cavallini Menechino, professora Marineidi Nonato, representou a Diretoria Regional de Ensino e a professora Márcia Pamplona Cavalcante Mota, também coordenadora de curso, representou a Escola Técnica (Etec) Professor Eudécio Luiz Vicente. Ambas discursaram no evento, registrando a contribuição positiva do projeto na formação dos jovens do Ensino Médio.

O evento marcou o início das atividades e foi organizado pela Comissão OAB vai à Escola. “Estamos muito felizes pelo resgate do projeto ‘UniFAI e OAB vão à Escola’, o que só foi possível com a parceria institucional. Agradecemos muito o compromisso educacional do reitor Paulo Sergio e o empenho do presidente da OAB local, Hélio Malheiros, pois se trata, indiscutivelmente, de um projeto muito especial de cidadania, através do qual nós advogados e os alunos do 5º ano do curso de Direito dialogamos com os jovens do Ensino Médio sobre direitos e deveres e, certamente, aprendemos coisas novas com a experiência humana de caráter educacional”, finalizou Fernanda Butarelo.