Um dos principais símbolos esportivos, a tocha olímpica é geralmente conduzida por aqueles que deram sua contribuição por uma comunidade melhor. Retrato desta definição, a adamantinense de coração, Maria do Carmo de Paiva Zapparoli – conhecida popularmente como Carminha –, foi uma das condutoras da tocha dos 22º JORI (Jogos Regionais do Idoso), que teve sua abertura oficial na quarta-feira (7).

Em um momento de muita emoção e simbolismo, a atleta de 74 anos representou os cerca de 2 mil atletas que participam da competição até domingo (11) e uma cidade, que se orgulha daqueles que se dedicaram para a construção de valores de uma geração.

Carminha marcou a vida de muitos jovens e adultos de Adamantina. Conhecida pela escola de natação, a prática de esportes foi primordial para sua história. Com poucos anos de vida, ela teve paralisia infantil e foi na natação que encontrou a sua recuperação.

A partir de então se apaixonou pelo esporte. Formada em Educação Física, Carminha iniciou sua trajetória no atletismo, depois deu aula nas escolas da cidade e, em paralelo, ensinava natação nos clubes.

Em 1986, construiu sua própria piscina, onde colocava o seu dom a serviço daqueles que queriam aprender a nadar. Atendia desde bebês até mais idosos, não tinha preferência e nem distinção. Muitos alunos com problemas motores também encontravam em Carminha o amor, o cuidado e alegria essenciais para o tratamento. Momentos únicos que certamente ficaram marcados na vida de cada um.

A escolinha, que funciona até hoje, mas agora sua filha que é responsável pelas aulas, se tornou em pouco tempo uma das mais tradicionais da cidade. Isso devido à dedicação e personalidade de Carminha.

Definida pelos cinco filhos como guerreira, uma fortaleza para a família, Carminha dedicou aproximadamente 45 anos de vida ao esporte – reconhecidos na condução da tocha olímpica.

E, mesmo com Alzheimer, a sempre atleta se emocionou! Mais do que um simples choro, as lágrimas durante a condução da tocha trazem a tona a sua história de vida, certamente recordada por ela, e a felicidade de uma cidade, que reconhece todo seu amor ao esporte.

Natural de Monte Alto, no final da década de 60 se mudou para Adamantina, onde criou os cinco filhos: Tereza Cristina, Márcio Leandro, Marcelo Araceli, Liomara Karina e Mariane Kamile. Carminha tem cinco netos: Tamiris, Richard, Ana Julia, Victor e Maria Eduarda.