Campeonato Paulista de Duatlo na cidade de Americana/SP. (Foto: Arquivo Pessoal/Cedida)
Campeonato Paulista de Duatlo na cidade de Americana/SP. (Foto: Arquivo Pessoal/Cedida)

Iniciei minhas corridas quando ainda era nadador, nós tínhamos na equipe um dia na semana destinado à corrida como forma de aprimoramento da resistência e da forma física voltada para a natação.

Em certa ocasião houve uma corrida de rua em Adamantina e meu técnico sugeriu que fossemos participar como forma de motivação e mesmo eu sendo um nadador fiquei em 2º lugar na minha categoria que era de 14 a 16 anos, na época eu tinha 14 anos.

Fiquei tão empolgado que comecei a correr e tive que conciliar os treinos de natação com os treinos de corrida e depois disso levei isso para toda vida e corro até hoje.

Depois de um tempo eu passei a fazer só corridas e participar de competições pela região e hoje a corrida é quase uma religião. Já tive muitas fases e etapas dentro da modalidade, seguindo o curso da minha idade, já fui espectador e admirador, já fui aprendiz e profeta, já fui atleta e hoje corro por prazer e lazer.

Sinto que a corrida esta dentro de mim e faz parte de quem eu sou e hoje carrego algumas sequelas de quem abusou, mesmo assim ainda quero correr.

E vou correr porque correndo sinto a vida com mais intensidade, sinto o frio e o calor e assim à vida dou mais valor, dou mais valor aos momentos a desfrutar e claro saber que a cada nova subida eu vou ter que lutar, vou ter que lutar contra a gravidade e os obstáculos da cidade.

No fim das contas nenhum obstáculo vai me fazer desistir, vou resistir e correr. Correndo vou pensando nos benefícios e assim criando mais artifícios para melhorar ou ao menos manter minha boa forma e a saúde, e com essa atitude acho que vou mais longe, mais longe de doenças do corpo e da alma e com muita calma criando para mim uma longevidade que não depende tanto da idade, mas sim da motivação criada pela ação de correr e me manter em movimento.

E é do movimento que eu me alimento para continuar correndo e vivendo, saudável, mais amável e realizado como espectador, aprendiz, professor, atleta e corredor amador. Corredor amador que ama ser corredor e corredor amador que ama a dor, e como já dizia um velho profeta e filosofo chinês “quem quer correr?”