Sérgio Barbosa

Sérgio Barbosa (**)

Aos “amigos” (in memoriam), “JP”, “ANDRÉ VEIGA” E GILSON, dedico!

“A saudade é a nossa alma dizendo para onde ela quer voltar.” (Rubem Alves)

“Somos donos dos nossos atos
mas não donos dos nossos sentimentos.
Somos culpados pelo que fazemos
mas não pelo que sentimos.
Podemos prometer atos,
mas não podemos prometer sentimentos.
Atos são pássaros engaiolados.
Sentimentos são pássaros em vôo” (
Rubem Alves)

“Não haverá borboletas se a vida não passar por longas e silenciosas metamorfoses.” (Rubem Alves)

Nestas duas últimas semanas, partiram para o outro lado do tempo deste mesmo tempo, dois grandes  amigos, a saber: “JOÃO PAULO AÇO” que residia em Porto Alegre-RS e éramos amigos desde o início dos anos 80, quando iniciei o curso de PP no IMS (METODISTA) em Rudge Ramos, SBCampo, SP, bem como, neste dia 30 de julho, ainda, sem mais e sem menos, recebi um telefonema do meu amigo jornalista, ERIVALDO que dizia ter uma má notícia para me dar e assim, fico sabendo que embarcou, também, para o outro lado deste tempo em meio ao tempo, outro grande amigo, “ANDRÉ VEIGA” que era natural da Província e faleceu na cidade de Cáceres-MT…

Confesso aos leitores e leitoras que foram muitas perdas neste anos de 2.018 para o meu lado, logo agora que os médicos das mais diversas áreas dizem que “estou vivendo uma segunda vida” depois dos fatos que ocorreram no meu tempo deste mesmo tempo no dia 23 de outubro de 2017…

Não vai ser fácil superar essas duas perdas, pois, foram pessoas com características distintas entre si, porém, cada qual com suas “manias e virtudes” por meio das muitas pesquisas e leituras deste e do outro lado de um mesmo lado…

Por exemplo, o meu amigo ANDRÉ era dono de uma memória de elefantes como dizem por aí ou ali, ou seja, um especialista de primeira qualidade quando o tema eram livros e autores de todas as áreas para muitas conversas sem fim, pois, nunca era possível “fechar a Gestalt” e ponto quase final…

No caso do meu outro amigo, o “JP” como era conhecido entre os mais chegados, possuía o dom de “descobrir” o lado podre dos donos do poder na sua amada e idolatrada, também, “salva, salve…”, IGREJA METODISTA NO BRASIL e isso o deixava inquieto e de vez em quando dava o “ar da graça”, talvez do pecado, como o mesmo gostava de falar por meio das  conversas via celular…

Além destas perdas “irreparáveis”, diga-se de passagem neste tempo novo tempo em busca de um novo tempo novo, outras ocorreram nos últimos meses, entre as quais, do idealizador da FAI e depois, UNIFAI, “PROF. DR. GILSON JOÃO PARISOTO”, considerado um ícone sem igual em terras provincianas…

Todas essas partidas para o outro tempo deste mesmo tempo acaba me levando as muitas reflexões de uma única reflexão quando o assunto é a “MORTE” e suas variações quanto as ocorrências por causa disto ou daquilo…

Só sei de uma coisa, talvez eu nada sei e temos que ir de um jeito ou de outro em busca do outro lado deste mesmo universo que pra mim, está conspirando todas as semanas quando leva para o outro tempo os meus amigos e o pior, não consegui despedir de nenhum deles por causa física da distância e outras impossibilidades relacionadas com a saúde…

A emoção está presente em todas as palavras registradas, tal qual o Grande Escritor RUBEM ALVES destaca no seu livro de crônicas “SE EU PUDESSE VIVER MINHA VIDA OUTRA VEZ” e destaco neste contexto, o texto “PARA QUEM SERÁ?”…

Quem ler o livro indicado e em especial esta crônica, vai entender os desencontros registrados nesta tentativa, também, de escrever alguma coisa deste mesma coisa…

AVE “JP”!

AVE “ANDRÉ VEIGA”!

AVE “PROF. DR. GILSON JOÃO PARISOTO”!

(*) Título da Crônica publicada no de livro, “Se eu pudesse viver minha vida novamente” de RUBEM ALVES.

(**) posso me considerar de um jeito ou de outro, dependendo sempre de outros olhares, “amigo eterno” destas três figurinhas mais do que carimbadas neste tempo sem o tempo do tempo…