O Tempo de angústia para Israel

Confira o artigo do Pastor Samuel publicado no IMPACTO

Mais de 37 milhões de pessoas morreram durante a Primeira Guerra Mundial e outros 62 milhões morreram na Segunda Guerra Mundial. Apesar do horror que essas estimativas nos causaram, tais números são ínfimos as comparados aos bilhões de pessoas que morrerão durante os dias mais traumáticos da história deste mundo: “Porque nesse tempo (após o Arrebatamento da Igreja) haverá Grande Tribulação, como desde o princípio do mundo até agora não tem havido e nem jamais haverá” (ver Mt 24.21).

Esse futuro holocausto acontecerá durante os últimos sete anos das Setenta Semanas de Daniel (Daniel 9.24-27), um momento que pode ser identificado como a parte tenebrosa do Dia do Senhor (ver Amós 5.18).

Tal período frequentemente é denominado de a Tribulação. As Sagradas Escrituras se referem aos últimos três anos e meio desse período como “o tempo de angústia para Jacó” e “grande tribulação” (Jeremias 30.7; conferir Daniel 12.1; Apocalipse 7.14).

É provável que a Tribulação não comece imediatamente depois do Arrebatamento. O os últimos sete anos da profecia de Daniel só terão oficialmente seu início quando o “príncipe que há vir” (o Anticristo) fizer “uma firme aliança com muitos” da nação de Israel (Daniel 9.27). A Tribulação terminará imediatamente antes da Segunda Vinda em glória de Cristo, que segundo todos os que tiverem vivos na terra naquele dia hão de ver (Mateus 24.29-30).

Entre o Arrebatamento e a concretização dessa aliança, haverá um intervalo de tempo cuja duração é desconhecida, durante o qual a igreja apóstata, qual igreja? permanecerá na Terra. O Espírito Santo na qualidade de “aquele que agora o detém” (o anticristo) será afastado, e o Anticristo se revelará para começar sua ascensão ao poder através da destruição de três reis (presidentes de três nações importantíssimas) e de uma aliança temporária com a apostasia.

O propósito da Tribulação é o de glorificar a Deus através de Seus justos Juízos pelo fracasso da humanidade na dispensação da graça. Esses juízos de proporções globais serão desferidos na forma de sete selos, sete trombetas e sete taças (Ap 6.1; 8.2; 15.7). Eles revelarão a verdadeira natureza depravada do ser humano que caiu em pecado. Embora uma multidão venha a crer no Evangelho durante esse tempo, a maioria se negará a receber a justiça de Deus em atitude de quebrantamento e arrependimento (Ap 9.20-21). Em vez disso, a maioria das pessoas se tornará ainda mais obstinada e rebelde, numa evidente comprovação de que Deus é justo em puni-las (Ap 16.5-7,9). O “tempo da angústia para Jacó” fará com que Israel chegue ao arrependimento (Dt 4.30), culminando na salvação e restauração da nação no Reino (Ez 36).

Tribulação também manifestará e destruirá o último império mundial gentílico. Os “tempos dos gentios”, que começaram com Babilônia de Nabucodonosor, se completarão nesse período (Dn 2.40-41; Lc 21.24). Deus aproveitará aquele ataque final de todas as nações da terra contra Israel e contra Jerusalém para impor juízo e destruição sobre as nações ímpias do mundo (Zc 12.3,9).

Por fim, a Tribulação encerrará a Era da Igreja ou Era da Graça; além disso, Deus usará o Anticristo e seus dez líderes mundiais (a ONU? ou os 10 líderes dos blocos econômicos representando todos os presidentes do planeta?) aliados para destruir a igreja apóstata (ver Apocalipse 17.16-17).

Será mesmo que o tempo de angústia só envolverá Jacó, quer dizer só os judeus? Ou também todas as nações? Claro, que o mundo inteiro sofrerá danos incalculáveis!

Caro leitor, o relógio do mundo é Israel! Tens observado o Oriente Médio?

Em breve Jesus voltará.