Mastellini e Acácio Rocha são pré-candidatos à prefeito pelo PMDB

“Hoje o PMDB tem força e um bom eleitorado. Nosso apoio pode definir uma eleição”, afirma Mastellini

Na 7ª rodada de entrevistas com as principais lideranças políticas locais, entrevistamos o presidente municipal do diretório do Partido do Movimento Democrático Brasileiro  (PMDB), que expôs as metas da legenda para as Eleições Municipais de 2016. Celso Osmar Mastellini esteve redação do IMPACTO onde concedeu entrevista.

 

O atual presidente do Diretório Municipal do PMDB, Celso Osmar Mastellini, começou na vida política em 1999 fazendo parte do Partido Popular Socialista (PPS). No ano de 2012 assumiu a presidência do diretório municipal do PPS onde permaneceu até 2012.  “Nessa época fui procurado pelo ex-deputado Paulo Lima, coordenador geral do PMDB na região, afirmando que havia uma intervenção no PMDB a nível estadual e meu nome teria sido indicado para presidir o diretório em Adamantina. Na época houve um mal-estar com o atual prefeito que também era do partido. Tentaram retomar o PMDB, mas fracassaram na ‘queda braço’. Foi desta forma que cheguei ao PMDB”, relata. “Entrei em contato com presidente estadual do partido, e ele confirmou que continuo na presidência. Há uma briga nos bastidores políticos onde o atual prefeito tenta retomar o partido para conseguir mais tempo no rádio. Por enquanto, o PMDB continua em minhas mãos”, afirma. Mastellini foi eleito vereador por duas legislaturas consecutivas: (2001/2004) e (2005/2008). E por duas vezes presidiu a Câmara Municipal.  Por ter desenvolvido um trabalho bastante extenso como vereador, nas eleições de 2012, foi candidato a vice-prefeito pela coligação ‘Aqui é trabalho’ ao lado do DEM e PSD em prol a candidatura de José Roberto Ferreira (DEM). A coligação recebeu 39,15% dos votos válidos.

Movimentação do partido

O diretório municipal do PMDB é um dos maiores em Adamantina. Conta atualmente com 456 filiados, apesar do número o presidente diz que o partido começa agora a se movimentar pensando no próximo pleito. Nas eleições de 2012, o PMDB não elegeu nenhum vereador. A meta é aumenta o número de candidatos e eleger pelo menos dois membros do legislativo.

Mastellini afirma que existem nomes fortes dentro do partido e que o PMDB irá lançar candidato ao cargo majoritário. “Eu e o Acácio Rocha somos pré-candidatos a prefeito. Já estamos nos movimentando buscando coligações. A principio temos afinidade com o DEM e o PSD. Nosso grupo está apto para encabeçar uma chapa ou apoiar uma coligação”, conta.Atualmente a participação do PMDB é fundamental dentro do pleito eleitoral conta o presidente. “Hoje nosso partido tem força e um bom eleitorado. Nosso apoio pode definir uma eleição” afirma.

Cenário político municipal

Mastellini faz uma análise crítica com relação ao cenário político local. “Mesmo com a Prefeitura estruturada e sem dívidas com fornecedores com o prefeito Kiko Micheloni deixou, sabíamos das  dificuldades que o prefeito eleito iria enfrentar. O grupo eleito ficou prometendo ‘mundos e fundos’ com o objetivo de explorar o eleitor, não sei se por falta de conhecimento ou irresponsabilidade. Foram muitas promessas em cima de coisas absurdas que foram prometidas  simplesmente não foram concretizadas até agora”, critica.

O presidente afirma que não concorda com a forma com a Administração Municipal conduz a direção da prefeitura. “Falta gente séria e mais dedicada. Não tem quem ‘veste a camisa’ do município de verdade. A impressão que tenho, é que o Prefeito não está tendo responsabilidade. O PMDB promete vir forte e capacitado para amenizar de uma vez por todas a situação caótica que Adamantina está passando. Nossa meta é ‘botar’ o trem nos trilhos novamente”, concluí.