Jesuíno Teixeira

Celso Alves Lima homenageia os pioneiros de Adamantina

Jesuíno Teixeira é natural de Itirapina (SP), onde nasceu em 23 de janeiro de 1927. Filho de José Teixeira e Sebastiana Maria de Jesus.

Quando tinha seis anos (1933), seus pais mudaram-se para Pederneiras (SP) para trabalhar de vigia no Armazém de Regulador de Café da Companhia Paulista de Estrada de Ferro.

Possui o secundário completo, tendo estudado na escola Eleazar Braga.

Em 1940, foi aprender o ofício de tintureiro com o saudoso amigo José Straliote, cuja função era lavar e passar as roupas dos fregueses. Em 13 de julho de 1943, ingressou na Companhia Paulista de Estrada de Ferro, no cargo de ajudante geral, indo trabalhar no armazém geral.

Em 1945, mudou-se para Tupã, onde foi aprender o ofício de Telegrafista. Já em 1946, mudou-se para Adamantina, veio no cargo de Auxiliar de Agência C.P.T. na área de transportes da ferrovia.

Em 1949, retornou a cidade de Tupã, no cargo de Revisor de Fatura, trabalhando nesse período na Estação Ferroviária de Tupã. Nessa oportunidade prestou exame de segunda entrância, onde foi promovido a Auxiliar de Terceira Classe.

No mesmo ano mudou-se para Santa Rita do Passa Quatro (SP), no cargo de Encarregado de Bagagem. Em 1950, foi transferido para Bebedouro (SP), com promoção a Auxiliar Segunda Classe, permanecendo poucos meses, na ocasião permutou com um colega da cidade de Pederneiras.

Foi promovido a Chefe de Estação Sexta Classe e passou a trabalhar na Quarta Divisão da Região da Alta Paulista, substituindo a chefia da estação em todas as estações da região.

Em 1957, efetivou-se em Adamantina, como Chefe do Escritório do armazém de carga, permanecendo até 1970.

No mesmo ano foi promovido a Chefe de Estação na cidade de Oriente (SP), onde permaneceu até 1973.

No mesmo ano, foi transferido para cidade de Pacaembu, no cargo de Chefe de Estação Quarta Classe, onde ficou até 1977.

Trabalhou na cidade de Osvaldo Cruz, por poucos meses, e posteriormente foi transferido para a cidade de Junqueirópolis, permanecendo até 1978.

No mesmo ano foi transferido para a cidade de Marilia como Chefe Titular da Estação Segunda Classe, onde ficou até 1981.

Após esse período foi Promovido a Chefe de Estação Primeira Classe, para a cidade de Bauru, onde trabalhou até o dia 4 de abril de 1982, quando se aposentou. Casou-se com a senhora Aurea Alves Ferreira, e dessa união nasceu o filho Giandrez Teixeira, professor universitário, residente em Pacaembu.

Sua esposa Aurea Alves Ferreira faleceu em 12 de novembro de 2015.

Tinha como hobby na juventude jogar futebol com os amigos e com os companheiros de trabalho. Torcedor do Corinthians. Era católico gostava de estar com a família.