Autoridades, médicos veterinários e protetores independentes se reúnem e lançam campanha ‘Conhecer para proteger’ em Adamantina (Foto: Arquivo Pessoal)

Você sabia que abandono e maus tratos de animais é crime? Pense duas vezes antes de atacar qualquer animal. E se presenciar um ato de covardia vá à Delegacia de Polícia mais próxima relatar os casos.

A denúncia de maus tratos é legitimada pelo Art. 32, da Lei Federal nº. 9.605 de 1998 (Lei de Crimes Ambientais) e, o Art. 164 do Código Penal, prevê o crime de abandono de animais para aqueles que introduzirem ou deixarem cães e gatos, por exemplo, em propriedade alheia, sem consentimento de quem de direito.

Para evitar tais práticas, ainda comuns em Adamantina, um grupo composto por médicos veterinários, protetores independentes e autoridades jurídicas e do Ministério Público se formou e lançou a campanha ‘Conhecer para proteger’ na terça-feira (16).

O objetivo do projeto, iniciativa dos médicos veterinários Felipe e Vitor Pinto Soares, é conscientizar a população sobre a importância de combater os maus tratos e a violência contra os animais e o abandono.

“Existem diversos profissionais da área, protetores independentes e voluntários que já atuam em busca de condições melhores para os cães e gatos de nossa cidade. A partir disso surgiu a ideia de realizar uma mobilização mais abrangente, com foco na conscientização, para que a comunidade entenda a importância da posse responsável e da castração para resolver o problema de animais abandonados em ruas e terrenos baldios, sem qualquer zelo”, explica Felipe Pinto Soares.

Para o fortalecimento da mobilização, o Poder Judiciário, Ministério Público local, UniFAI (Centro Universitário de Adamantina), Associação de Proteção aos Animais ‘Apelos e Patas’ e profissionais da área foram procurados e uma reunião, no Forum de Adamantina, definiu as diretrizes da campanha, que terá foco em crianças e adolescentes.

“O projeto vai alertar e orientar alunos das escolas da cidade e região, além da população em geral, sobre questões como cuidados com a saúde dos animais e de saúde pública. Crianças conscientes se tornam adultos responsáveis, elas também socializam o que aprenderam com outras pessoas e começa a repreender quando presenciam alguma situação de violência e maus tratos”, declara o profissional.

Além de palestras educativas em escolas sobre a prevenção de doenças, como a leishmaniose, e campanha de castração, o projeto realizará feira de adoção de animais em 24 de novembro, das 10h às 13h, na praça Élio Micheloni.

“Queremos trabalhar a posse responsável, por isso realizaremos um cadastro dos interessados pelos cães e gatos e verificarmos se eles têm condições para oferecer uma moradia digna aos animais, que serão todos castrados para doação. A feira também contará com atividades lúdicas e recreativas para crianças e outras ações que visam mudar a realidade dos animais de rua de nossa cidade”, diz Felipe.

O projeto tem apoio da juíza da 3ª Vara da Comarca de Adamantina, Ruth Duarte Menegatti, e da promotora de justiça Viviane Zaniboni Ferreira Barrueco, que tem forte atuação na preservação da saúde animal e, consequentemente, da saúde pública.

“O projeto abordará a conscientização a partir das crianças, pois, é nessa fase que boa parte de nossa personalidade se forma. Muitas das experiências que temos quando crianças nos marcam para o resto da vida.  Educadores com visão futurística percebem o quanto é importante falar de meio ambiente englobando tudo que está em torno da criança. A Educação Ambiental moderna entende que a criança precisa ser motivada a respeitar os seres vivos, pois tudo faz parte da natureza, vamos mostrar iniciativas que trabalham proteção animal com crianças em escolas e comunidades. Que esse projeto inspire a todos (educadores, pais, avós, tios, protetores e simpatizantes da causa) a envolver as crianças numa atmosfera de comunhão com a natureza e respeito aos animais, afinal, uma coisa não é possível sem a outra”, publicou Dra. Ruth, em uma rede social.