Prefeito Márcio Cardim, secretários municipais e líderes de bairros na apresentação das ações de combate ao Aedes aegypti em Adamantina (Foto: João Vinícius | Grupo IMPACTO)

Dados apresentados pela Prefeitura de Adamantina, nesta terça-feira (6), mostram que a cidade está com índice de infestação predial de 3,8%, o que representa situação de alerta para epidemia da dengue. A OMS (Organização Mundial da Saúde) classifica como satisfatório índice abaixo de 1%.

Com o índice do LIRAa (Levantamento de Índice Rápido de Infestação do Aedes aegypti) foi possível identificar os criadouros predominantes e verificar a situação de infestação do Município, além de permitir o direcionamento das ações de controle para as áreas mais críticas, como mutirões, vistorias mais detalhadas, entre outras medidas.

Em coletiva de imprensa, com a presença de secretários municipais e líderes de bairros, o prefeito Márcio Cardim (DEM) lançou campanha de combate a dengue. O foco será a conscientização dos moradores da cidade, já que o alerta é para todos os bairros.

As ações apresentadas pela Secretaria de Saúde envolvem mutirões dos agentes comunitários de saúde e de vetores, palestras de orientação em bairros, igrejas e escolas, campanhas educativas, além de trabalho direto com a população.

Segundo Francine de Brito Alves, chefe do Departamento de Controle e Zoonoses, hábitos que os adamantinenses haviam abolido começaram a ser encontrados novamente, como a limpeza de pratos e pingadeiras para o não acúmulo de água, o que tem contribuído para aumentos do índice de infestação predial.

Além disso, as equipes da Prefeitura vêm encontrando materiais inservíveis rotineiramente nas residências sem controle no armazenamento. “Realizamos campanhas durante todo o ano. Não era para estar nesta situação. Por isso contamos com apoio e colaboração da população para reverter este panorama”, disse a chefe do Departamento de Controle e Zoonoses.

Um caso de dengue pode transformar a cidade em região epidêmica, alertou as autoridades. “Contamos com apoio de toda a população. Cada um tem que fazer a sua parte. A Prefeitura está trabalhando para melhorar a situação das áreas públicas, porém, é necessário que a comunidade também limpe seus terrenos”, disse o prefeito.

A maioria dos focos, segundo Francine, está nos quintais das residências. “Nas visitas nos quintais confirmamos que, dificilmente um foco é encontrado fora da casa. E a gente orienta as pessoas informando que o foco está ali e pede que limpe seus terrenos, elimine os locais com água parada, ações simples que serão relembradas nas campanhas com apoio de entidades e do Tiro de Guerra”, pontua.