Começa a disputa pela presidência da Câmara Municipal para biênio 2019/2020 (Foto: Gustavo Castellon | Grupo IMPACTO)

Estamos em período eleitoral, mas a disputa que movimenta a Câmara Municipal de Adamantina é outra. O foco é quem vai ocupar as vagas na Mesa Diretora para o biênio 2019/2020.

Pelo cenário traçado nos bastidores, a eleição deverá se dividir em dois grupos, como ocorreu para escolha de Eduardo Fiorillo (DEM) que venceu Acácio Rocha, do mesmo partido, na disputa pela presidência do legislativo em 1º de janeiro de 2017.

Um lado, encabeçado por Hélio José dos Santos (PR) e Eduardo Fiorillo (DEM), ainda não há uma definição sobre quem seria o candidato. Hélio José já declarou na Câmara que não pretende assumir o cargo de presidente e, no caso de Fiorillo, o regime interno não permite a reeleição. Foi cogitada mudança na legislação para que o democrata continuasse à frente da Casa de Leis, mas foi descartada a possibilidade de alteração devido o possível impacto político negativo.

A alternativa comentada nos bastidores é a eleição da chapa João Davoli (PV) presidente e Eduardo Fiorillo, vice, que daria o suporte necessário ao novato na Câmara.

Por outro lado, o nome para disputa já é conhecido – Éder Ruete (DEM). Mais votado na última eleição, o vereador acreditava em uma definição tranquila, já que seu partido ocupa cinco das nove cadeiras do plenário Vereador José Ikeda. Além de Ruete, Fiorillo e Rocha, os parlamentares Aguinaldo Galvão e Maria de Lourdes Santos Gil, a Dinha, fazem “parte” do mesmo grupo político.

Ao IMPACTO, Éder Ruete confirmou sua pretensão ao cargo e afirmou que a situação estava definida. “Em uma reunião do grupo em dezembro de 2016, para definição de quem seria o presidente da Câmara, Acácio e Eduardo manifestaram desejo de ocupar a função. Houve uma disputa, e Eduardo saiu vencedor. Porém, nesta mesma reunião, manifestei minha vontade de ser presidente no segundo biênio por ter sido o mais votado e gostaria primeiramente adquirir experiência para depois assumir o cargo. Ninguém se posicionou contrário. Então disse que me considerava presidente da Câmara, já que teria o voto de todos do partido. Mas, agora, é outra situação”, afirma.

Mesmo não tendo apoio de todos os democratas, Eder Ruete disse que buscará o voto de parlamentares de outras legendas. “Vou conversar com todos os vereadores. Quero ser presidente da Câmara para ajudar na construção de uma cidade melhor, com novos projetos e propostas. Para isso quero o apoio de todos, mas não vou prometer favores ou qualquer tipo de troca para conquistar esta base para minha eleição”, afirmou.

A eleição deve ocorrer nos próximos meses.