Jurados participantes do Festival de Música do ‘Setembro Amarelo’ (Foto: Cedida)

Muito além de um divertimento, a música é uma forma de expressão de sentimentos e valores. Por isso, será um dos instrumentos utilizados na campanha do ‘Setembro Amarelo’, que reúne diversas ações pela valorização à vida.

O PAI Nosso Lar (Polo de Atividades Integradas), em parceria com a UniFAI (Centro Universitário de Adamantina), promove Festival de Música que selecionará músicas com a temática ‘Esperança’. E, nesta semana, foram definidos os jurados que selecionarão as composições.

Inscrições e seleção

Aberto a todos os estilos e gêneros, compositores profissionais e amadores poderão participar do Festival de Música, que recebe as inscrições até 24 de agosto.

Para a inscrição, a composição musical deverá estar digitada, em formato A4, com margem superior e inferior de 2 cm, e capa que contenha as seguintes informações: nome e idade do compositor (letra e melodia); nome e idade do interprete; gênero musical; quantidade de participantes no palco (discriminar vocalistas e instrumentistas); telefone e e-mail de contato; bem como a melodia gravada em áudio, em formato MP3, ou vídeo.

A comissão organizadora alerta que só serão aceitas composições no idioma nativo (português).

Após o período de inscrições, haverá duas etapas de seleção. Na primeira, os jurados convidados escolherão as 10 melhores composições, considerando critérios e respectivos pesos (pontuações): temática (2), mensagem (3), arranjo/harmonia (3) e originalidade (2). Os selecionados gravarão CD em estúdio.

Em seguida, na segunda fase, haverá apresentação dos 10 finalistas no palco, para público aberto e corpo de jurados (júri técnico e júri popular), em evento a ser realizado no dia 30 de setembro, no auditório da UniFAI.

“O I Festival de Música de Adamantina faz parte das atividades do nosso ‘Setembro Amarelo’, cujo o tema é Esperança. Acreditamos que essa iniciativa pode despertar talentos e promover a conscientização do sentido da vida. A arte de falar de sentimentos e emoções através de verso exercita a criatividade e possibilita refletir sobre o sentido da vida. Esse Festival vem coroar o projeto de promoção da vida e mostrar que é possível realizar sonhos”, disse a juíza Ruth Duarte Menegatti – idealizadora do movimento ‘Setembro Amarelo’ em Adamantina.

Jurados

Na terça-feira (24), uma reunião entre a comissão organizadora e o Poder Judiciário apresentou os jurados que selecionarão as composições. São eles: Tiago Marcelo, Luiz Henrique Paloni, Diego Kraemer, Cíntia Ferci e Naiana Dosali.

Diego Kraemer – compositor (Foto: Arquivo Pessoal)

“É sempre muito bom colaborar com ações sociais, me doar em prol de causas nobres como essa. Fico lisonjeado em ter sido convidado a participar do Festival de Música como jurado, e tenho certeza que será uma troca de experiência muito legal com os demais participantes”, destaca o compositor e consultor musical, Diego Kraemer.

Outro compositor que colabora com a iniciativa é Luiz Henrique Paloni. “É uma ação de extrema importância, já que os índices de suicídios vêm crescendo em nossa região, é uma forma de ajudar com música, que se chama a atenção, e uma maneira bacana de escancara esta realidade. Por isso estou feliz em participar deste projeto”.

A professora de técnica vocal e cantora Naiana Dosali também enfatizou a importância de colaborar com o projeto. “É uma responsabilidade muito grande participar desta iniciativa, que é a conscientização do ‘Setembro Amarelo’ por meio da música. Pretendemos alcançar o maior número de pessoas e alertar as famílias sobre a importância de se procurar ajudar, é necessário conscientizar para que se diminuam os casos de suicídio em nossa região. E este é o caminho, já que a música é uma terapia que pode salvar vidas”.

Cíntia Férsi, preparadora vocal e musicista formada pela UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), também pontua a importância da música na vida das pessoas. “Aceitei o convite para ser jurada do Festival, pois acredito no poder na música como ferramenta para proporcionar o bem estar, além de ser um evento cultural muito bem organizado que proporcionará oportunidades para novos compositores aparecerem”.

E, o compositor Tiago Marcelo, destaca a importância da oportunidade para os novos talentos. “A importância desta ação social é muito grande, os compositores que têm o sonho de ver uma música de autoria própria ser gravada e não tem a oportunidade, este concurso poderá ser o início de uma jornada na música, mesmo que não venha ser o vencedor do concurso, estará exercitando o dom e mostrando o trabalho pra diversos profissionais. Eu, como compositor adamantinense, sinto honrado em poder contribuir com minha arte nesta ação maravilhosa, e desejo boa sorte a todos!”.

Comissão organizadora com parceiros da campanha ‘Setembro Amarelo’ (Foto: Cedida)

Parceiros

Além de jurados renomados, com vasta experiência no segmento musical, o Festival de Música contará com diversos parceiros, que contribuirão para efetivação do evento de forma voluntária.

“Daremos visibilidade para um problema que muita gente acredita estar longe, mas os casos estão pertos, próximos de nossa comunidade. Iremos reunir algo bacana, que é o Festival de Música, com um tema atual e sensível, tratar o assunto de forma menos pesada. Além de darmos oportunidade de todos participarem, ter acesso a cultura, blindar a comunidade com algo diferente e proporcionar visibilidade aos novos compositores”, disse o produtor de eventos, Xitão Ribeiro.

Outros parceiros da iniciativa são Ane Godoi Decorações e Reveste Festa (Rafael Giglioli). “São iniciativas como esta que mudam a perspectiva de vida de pessoas que sofrem com a falta de recursos. Faz parte do nosso trabalho (no dia a dia) realizar sonhos, e estarmos engajados em um projeto social como este nos proporciona levar um pouco de alegria para estas pessoas”, enfatiza Ane Godoi.

E, Jorge Sakai, da Iluminight Eventos, parabeniza os organizadores pela iniciativa. “É um prazer poder colaborar com um evento tão bacana. Parabéns aos organizadores!”.