Terreno às margens da linha férrea de Adamantina é demarcado por populares (Foto: Luan Nóbrega | Jornal Diário do Oeste)

Em busca de terreno para construção de casas, e para sair do aluguel, populares iniciaram a demarcação de áreas às margens da linha férrea de Adamantina. A ação, que teve início há cerca de 10 dias, no Jardim Adamantina, rapidamente se deflagrou para outras localidades, chegando próximo ao Residencial Gran Village – cerca de 5 km da área inicial.

Por todo o trajeto urbano da via férrea, há nomes assinalados nas sarjetas e no asfalto, identificando os beneficiários dos terrenos. Porém, a ação é considerada ilegal, já que o terreno demarcado é pertencente à União, sob concessão da Rumo Logística

O movimento de demarcação dos terrenos foi iniciado no Jardim Adamantina, onde algumas áreas já são ocupadas. O terreno, entre a linha férrea e a rua João Latine, foi demarcado pelo grupo denominado ‘Sem Teto 2 Jardim Adamantina’.

Em entrevista a rádio comunitária Life FM, os representantes do movimento afirmaram que foi realizada a demarcação de 107 lotes apenas no Jardim Adamantina. Nas demais localidades, como aos fundos do quartel da Polícia Militar, da sede do Tribunal de Contas, prédio da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) e Creche Escola, não há qualquer relação com o grupo.

Apenas da demarcação ter iniciado há poucos dias, o movimento realiza a mobilização há cerca de dois meses, reunindo pessoas sem casa própria que querem sair do aluguel, no Jardim Adamantina. Ainda, segundo o grupo, a área demarcada estaria abandonada, sem cuidados e manutenção por parte dos responsáveis, e que a ocupação vai garantir a utilização social do espaço.

Com a possível ocupação do espaço, representantes da Rumo Logística estiveram, na última semana, em Adamantina, para formalizar denúncia na Polícia Civil, que inicia a identificação dos mobilizadores e os possíveis contemplados, para serem ouvidos.

A concessionária também deverá ingressar com medida judicial buscando a reintegração de posse. Se a medida for concedida pela Justiça Federal, pode haver a reintegração de posse e a eventual demolição de benfeitorias que já começaram a ser realizadas na área pública.

Também, na última semana, os representantes do ‘Sem Teto 2 Jardim Adamantina’ foram recebidos no gabinete do prefeito Márcio Cardim, onde também foi orientado sob riscos da ação. Com informações do Siga Mais