ACREA, UniFAI e Prefeitura de Adamantina firmaram parceria com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA, na sigla em inglês), ligada ao Governo japonês, para o desenvolvimento de um projeto de Esporte Educacional na cidade; com o convênio, um voluntário japonês virá para Adamantina no mês de julho para ensinar, por dois anos, técnicas de Atletismo a crianças de cinco a 15 anos (Foto: Jesana Lima | Da UniFAI)

A Associação Cultural, Recreativa e Esportiva de Adamantina (ACREA), em parceria com o Centro Universitário de Adamantina (UniFAI) e a Prefeitura, firmou nesta semana um convênio com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA, na sigla em inglês), órgão de fomento ligado ao Governo japonês, para o desenvolvimento de um projeto de Esporte Educacional na cidade.

“Já faz algum tempo que a UniFAI e a ACREA vêm trabalhando juntas e há uma parceria formada em cima do esporte educacional e a Prefeitura integrou-se a esse projeto. Hoje existe uma demanda da sociedade por um espaço para a prática de esporte em que as nossas crianças não fiquem apenas dentro da escola, mas tenham, também, uma área para a prática desse esporte”, disse o Prof. Dr. José Aparecido dos Santos, coordenador geral de pesquisa, ligado à Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da UniFAI.

Com o convênio, um voluntário japonês virá para Adamantina no mês de julho para ensinar, por dois anos, técnicas de Atletismo. “Nós tínhamos pedido [voluntário especialista em] velocidade, mas eles [JICA] não tinham atletas velocistas lá, tinham fundistas, de longo trajeto. E o seo Takeshi [Matsuda] aceitou, dizendo que poderia ser porque aqui temos corrida de rua e, com isso, temos certeza de que vamos descobrir muito talento dentre essas várias crianças que vamos cuidar”, explicou a presidente da ACREA, Noriko Saito.

Todas as despesas desse voluntário em Adamantina serão pagas pelo Governo japonês, desde a passagem, salário, aluguel etc. “Nós, de Adamantina, não teremos gasto nenhum, somente benefício com a presença dessa pessoa aqui”, justificou Noriko.

O projeto será voltado a crianças e adolescentes de cinco a 15 anos, com atividades nos períodos matutino e vespertino no Recinto Esportivo Takeshi e Toshie Matsuda (área da ACREA na qual está instalado o Câmpus IV da UniFAI).

“Vamos ter um apoio financiado pelo Governo japonês aos projetos esportivos nativos da nossa região executado na ACREA [Câmpus IV]. A UniFAI fica muito contente em poder participar desse processo de parceria que vem dando resultado a fim de fortalecer o esporte educacional em Adamantina e região”, concluiu o Prof. Dr. José Aparecido.

A JICA

A Japan International Cooperation Agency (JICA), ou Agência de Cooperação Internacional do Japão, em português, é o órgão do Governo Japonês responsável pela implementação da Assistência Oficial para o Desenvolvimento (ODA) que apoia o crescimento e a estabilidade socioeconômica dos países em desenvolvimento com o objetivo de contribuir para a paz e o desenvolvimento da sociedade internacional. Com uma rede de escritórios que se estende por quase 100 países, a JICA presta assistência a mais de 150 países no mundo todo.

No dia 1º de outubro de 2008 nasceu a Nova JICA, a qual passou a ser responsável pela implementação, de forma unificada, das três formas de assistência até então prestadas por órgãos distintos, a saber: Cooperação Técnica, Empréstimo ODA e Cooperação Financeira Não Reembolsável. Com isso, tornou-se possível a sinergia traduzida por agilidade na prestação da assistência (Speed-Up), ampliação dos efeitos da assistência (Scale-Up) e difusão/expansão dos efeitos da assistência (Spread-Out), viabilizando uma cooperação internacional de alto nível e mais adequada às necessidades dos países em desenvolvimento.

A JICA defende uma visão de “desenvolvimento dinâmico e inclusivo” e, para tornar essa visão realidade, a agência está empenhada em quatro missões, quais sejam: desafios que acompanham a globalização como mudanças climáticas e questões relacionadas à água, alimentos e doenças infecciosas; redução da pobreza e crescimento justo; melhoria da governança, como políticas e sistemas de governo de países em desenvolvimento; e garantias da segurança humana.

Colaborou: jica.go.jp