Márcio Cardim (DEM) completará 18 meses à frente na Prefeitura de Adamantina no último dia de junho. Passado um ano e meio de gestão, o prefeito eleito com vantagem esmagadora em cima do adversário ainda é visto com descrédito por parte da população. Porém, é enfático ao afirmar que os resultados dos programas e projetos começarão a ser vistos ainda este ano pela população.

Aos 55 anos, o professor universitário assumiu a Prefeitura de Adamantina com desafio de resolver entraves causados pelos problemas políticos da Administração Ivo Santos e João Eduardo Barbosa Pacheco. Eleito com 81,47% dos votos, Cardim venceu as eleições com projeto de retomada do crescimento por meio do tripé agricultura familiar, educação e saúde, trazendo novamente para o poder municipal o partido que administrou a cidade de 2005 a 2012, época de Kiko Micheloni.

Ao assumir o Executivo, o prefeito também adotou a responsabilidade de resolver questões que se arrastavam há anos, como o funcionamento da Fatec (Faculdade de Tecnologia), crateras no Parque dos Pioneiros, problemas de infraestrutura urbana, entre outros.

Em entrevista para o IMPACTO, em comemoração ao aniversário de 69 anos de Adamantina, o prefeito fala das dificuldades, conquistas, investimentos, UniFAI (Centro Universitário de Adamantina), política e demonstra tranquilidade e otimismo em relação a sua gestão: “ainda não consegui mostrar minha cara”.

“Todo trabalho que já realizamos aparecerá para população neste e no próximo ano. A população perceberá tudo aquilo que fomos plantando no ano passado, iremos colher ainda em 2018”, diz.

Cardim destaca que a mesma metodologia utilizada durante sua gestão, de maio de 2011 a maio de 2016, como diretor da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas), é utiliza na Prefeitura. “Na FAI também os resultados começaram a aparecer do segundo para o terceiro ano. Aqui, acontecerá à mesma coisa. Já está concretizado”, enfatiza.

Ainda, segundo o prefeito, a população precisa acreditar em sua Administração. “A população precisa acreditar nesta gestão, porque os frutos já começam a ser colhidos. Em 18 meses, por exemplo, temos conquistados oito veículos para saúde, trabalho realizado por toda a equipe da Prefeitura com ajuda do Legislativo. Outro exemplo é o Parque dos Pioneiros, não acreditávamos que iríamos conseguir resolver este problema. A questão financeira está parcialmente resolvida”, pontua Cardim.

Sobre o secretariado, alvo de críticas, o chefe do Executivo se diz satisfeito com os resultados. “Vou citar, por exemplo, o Planejamento. O Paulo Purificação [secretário] faz milagre. Peço um projeto para uma emenda de um dia para o outro, a equipe da Secretaria de Planejamento, mesmo não havendo nenhum engenheiro civil concursado, apenas um em processo seletivo, corresponde de pronto. Mas faltam profissionais neste setor. Fizemos concurso público, que possibilitará a contratação de dois engenheiros civis, o que melhorará a desempenho do setor, e um engenheiro ambiental. Estou satisfeito, tanto é que desde o início só houve uma troca a pedido da ex-secretária de Saúde [Rose Piva] por motivos particulares. E não há previsão de troca, quero continuar com esta equipe até o final”.